A preocupação com a deterioração do mercado de trabalho e com a instabilidade do emprego está em alta. Em um momento em que uma pesquisa do SPC Brasil aponta que 54% dos empresários temem que o Brasil não consiga, de fato, sair da crise no ano de 2016 e que a Organização Internacional do Trabalho prevê que 50 milhões de vagas podem desaparecer ao longo deste ano, alguns brasileiros miram para a busca de oportunidades no exterior ou de encontrar melhores empregos. E esse contexto exige estratégia.

Espalhar currículos não aumenta as chances de conseguir uma melhor colocação ou acertar aquela vaga que te dá chances de morar no exterior. A recomendação sempre é investir em um diferencial, que pode ser uma aptidão, um conhecimento ou qualificação que quase nenhum outro candidato vai apresentar. Nesse sentido, vale olhar com mais atenção para a importância do inglês e da certificação internacional de proficiência da língua.

A visão errônea de que a qualidade do que se aprende está comprovada pelo diploma recebido ao fim de um curso e de que exames para verificação e certificação da língua são supérfluos leva os brasileiros a alcançar colocações baixas em rankings globais de proficiência no inglês.

Entretanto, possuir um certificado internacional que comprova a capacidade linguística e que é reconhecido por universidades, faculdades, empresas, ministérios, órgãos governamentais e organizações profissionais pode ser um fator determinante para te colocar a frente da concorrência em diferentes situações. Vamos elencá-las nas próximas linhas.

Quem busca a vivência internacional tem como primeira preocupação a obtenção de visto de entrada no país de destino para a finalidade desejada: estudo ou trabalho. Já nesta etapa de candidatura a vistos ter uma certificação pode facilitar a validação. Assim como aumentam as chances de aprovação em processos seletivos de universidades, já ela confere credibilidade e diferencial único às pessoas que as incorporam a seus currículos.

E engana-se quem pensa que a recomendação vale apenas para países falantes da língua inglesa. O idioma é realmente universal. Nós vemos muitos brasileiros buscarem oportunidades de estudo e de emprego em países de língua portuguesa, por conta da similaridade com o Brasil. Entretanto, em Portugal, por exemplo, foram adotadas as certificações de Cambridge English na educação pública como requisito obrigatório para preparar sua população para o futuro. Ou seja, não ter a habilidade e o conhecimento reconhecido por uma instituição isenta e especialista no assunto coloca o imigrante ainda mais em desvantagem.

Além do visto e dos estudos, quando o objetivo é candidatar-se a uma vaga de emprego no exterior (seja em uma tentativa de mudar o rumo da carreira ou mesmo em busca de uma promoção ou expatriação dentro da própria multinacional em que trabalha), o candidato que possuir a certificação internacional de proficiência na língua inglesa possui um diferencial de prestígio e leva isso como um fator de desempate ou de preferência em relação ao restante dos participantes.

Isso porque ele legitima que a pessoa está preparada para fazer uso do idioma no dia-a-dia e que não faltará base para que ela se comunique e toque os processos empresariais sem barreiras. Ele funciona como uma garantia para ambas as partes de que todas as habilidades necessárias (leitura, escrita, expressão oral, compreensão auditiva e uso do inglês) foram testadas e aprovadas, assim como contribui para que uma organização ou instituição selecione profissionais/estudantes que tenham um nível de conhecimento alinhado com a necessidade do cargo/curso em questão.

Em outro panorama, podemos observar a situação daqueles brasileiros que não almejam sair do país, mas que estão preocupados com sua estabilidade no emprego, pois são pessoas com alta qualificação, anos de experiência e que temem ter dificuldade para se recolocar no mercado caso a demissão aconteça ou então aqueles que procuram por uma nova colocação em uma grande companhia.

Em tempos de crise, poucas são as chances que se abrem e os gestores têm a missão de fazer contratações assertivas visando à eficiência do processo e o menor desperdício de recursos (seja de tempo ou de capital). E então, vale o mesmo raciocínio: é claro que fatores como a formação e a experiência contam muito, mas o certificado internacional de aptidão em língua inglesa é bem visto nas maiores empresas nacionais e multinacionais porque facilita a seleção natural dos candidatos mais bem preparados.

Infelizmente ainda temos no Brasil um cenário em que, depois de anos de estudo, muitas pessoas não se sentem preparadas e saem dos cursos sem conseguir se comunicar e aplicar o que deveria ter sido aprendido. Para entender a dimensão dessa realidade, o programa Ciência sem Fronteiras precisou, nas primeiras turmas, retornar ao país bolsistas que estavam estudando em locais como Estados Unidos, Inglaterra e Canadá por conta da falta da fluência no idioma para acompanhar as aulas e pesquisas.

É essa situação que universidades e empresas querem evitar e, por isso, os exames funcionam como um instrumento de diferenciação. Por conta disso, foi criado o Inglês sem Fronteiras (para acelerar o aprendizado do idioma nas universidades brasileiras) e foi adotado o certificado internacional de proficiência como obrigatório no processo seletivo.

Se você almeja alguma das possibilidades apresentadas aqui, saiba que esse sonho pode estar mais próximo da realidade! Comece buscando informações sobre as opções de exame mais indicadas para o destino desejado e prepare-se. Essa mudança só depende de você!

Via

(Visited 152 times, 1 visits today)